terça-feira, 8 de abril de 2014

Tradução: Insondável



Insondável


um bandoleiro

uma flor

roubada

de um mundo

onde a beleza

reinava



fique aqui

o tempo todo

profusão de risos

como o mais ensolarado

dos meus dias


orvalho cristalizado,

um sonho impossível

palpitação



baticum


felicidade

um sonho longe

insondável

amor





Tradução: Jeanine Will






Unfathomable


a bandit

a flower

stolen

from a world

where beauty

once was queen


stay here

all the while

rising smiles

like the sunniest

of my days


solidificated dew,

a impossible dream

heartbeat

palpitation


happiness

a dream away

unfathomable

love


Poema de Wagner Miranda

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Navegando pelas estrelas


"sento ao doce piano
e entardeço"
(Vince Vinnus)
 

sou apenas um corpo despreparado
intervalos finitos de marfim e ébano
metais, martelos
olhos de madeira
pele percutida

improviso, faina, fantasia
cravo com suave e forte
delírio epitelial sobre o mesmo tema
variação de cordas cruzadas
cepo e suas cravelhas
                               (que a vida se incumbe de apertar)

versos de se levar para um poema deserto
pedais de acionar o mecanismo dos sonhos
sou apenas um corpo sostenuto
aguardando tuas mãos na marquise
da capo al fine


10022014

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Mañana se pinta de emociones

la burbuja gris se estalla y pinta de emociones
historias a la carta cantan

el alba ya no es la herida mortal
y los ojos piden colores brillos sonoros, soles musicales, lunas danzantes

una vez más la frágil baldosa suelta de la vida está arreglada
en constante fragmentación, busca encajar ya sea noche ya sea día

en esta llanura cuelga de los párpados una alegría más fuerte que la duda
que se expande en escala de do mayor en disonantes, sonantes en vos

los pasos siguen por dos distintas aceras
pero el sueño corrige los tramos


En colaboración con Nacho Londoño
13102013 & 12022014

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Cansaço



diante dos impasses e das impossibilidades
que vontade de ter 80 anos
e fugir de casa pra morrer na gare


29052013 & 20012014

sábado, 18 de janeiro de 2014

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Desejo noir



Desejo noir




vai-se o dia retocando a escultura da tarde



entre a cortina de fumaça que ondula

ao sabor das (res)pirações

e dos olhares que se cruzam




nossas bocas são barcos ainda ancorados

às margens de nossas palpitações



12012014

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Poslúdio

caminho pelas bordas do silêncio
escuridão adentro  semeio tato
e aqui estou: no lago dos teus olhos

neste salar infinito
neste espelho envergado de últimos gestos
                     poluído de palavras
                     todo sombras inclinantes

sob a lâmina d'água vão-se os últimos crimes
barro lacustre e nossas ossadas
sobre a mesma lâmina vão-se os últimos cisnes

partir é coisa que não tem sim


05012014
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...